logo RCN

Órgãos ambientais decidem fazer eutanásia em baleia encalhada em Jaguaruna

Após mais de 24 horas encalhado, o animal de 11 metros está debilitado e teria poucas chances de sobrevivência

Especialistas que monitoram a baleia-jubarte encalhada desde quarta-feira, dia 5, na praia de Balneário Esplanada, em Jaguaruna, decidiram realizar eutanásia no animal, de 11 metros de comprimento na tarde desta quinta-feira, dia 6.

O empresário João Baiuka, que acompanhou as tentativas de desencalhe desde o início desta quarta-feira, dia 5, divulgou um vídeo em suas redes sociais lamentando a decisão. “Infelizmente por laudos e burocracias tudo indicava que o animal não sobreviveria a essa operação. Quero ir embora antes de ver essa cena”, lamentou.

O vice-prefeito de Jaguaruna, Henrique Fontana, também lamentou a morte do animal em suas redes sociais. “A prefeitura e diversos voluntários ficaram á disposição para o resgate, mas os órgãos e institutos de pesquisa devido a debilitação da baleia, decidiram por eutanásia. Gostaria de fazer a última tentativa como todos que estavam em volta, mas a decisão técnica foi de outra forma, infelizmente alguns questionamentos ficam e saímos tristes de decisões que não concordamos e devemos respeitar!”, divulgou.

O Museu de Zoologia Professora Morgana Cirimbelli Gaidzinski, da Unesc, fará a necropsia, o descarne e a preparação do material biológico recolhido para depois entrar no acervo a carcaça da baleia.

“O museu vem trabalhando ao longo dos anos no recolhimento de carcaças dos animais no Litoral Sul catarinense, devido a isso foi convidado a participar deste protocolo constituído por diversas instituições. Cabe ao museu, no momento que o animal está vivo, auxiliar no resgate. A partir da morte do animal, participamos, dependendo da situação, do aproveitamento da carcaça para que seja utilizada no acervo”, conta.

O resgate

A baleia-jubarte encalhada possui aproximadamente 11 metros de comprimento. Na tarde de quarta-feira, dia 5, durante a maré cheia, as equipes realizaram tentativas de resgate, posicionando o animal para que pudesse nadar para fora da zona de arrebentação. Ele respondeu com movimentos do corpo, porém não nadou em direção ao mar, permanecendo encalhado.

Encalhes de baleias vivas não são comuns, mas podem ocorrer quando elas se aproximam da costa e estão debilitadas, doentes ou desorientadas.

Baleias-jubartes

A baleia-jubarte é um animal que migra para o Nordeste do Brasil, onde tem sua principal área de concentração reprodutiva. Não é comum a ocorrência dessa espécie no litoral, porém já foram avistadas, além de casos de encalhes na região.

Sobre os encalhes

A coordenação do Protocolo foi formada pela APA da Baleia Franca/ICMBio, Instituto Australis, Associação R3 Animal, Udesc, Museu de Zoologia Professora Morgana Cirimbelli Gaidzinski, da Unesc, APA da Baleia Franca, Corpo de Bombeiros, Capitania dos Portos e a Polícia Militar Ambiental. Um trabalho em parceria para este tipo de atendimento.

Clique aqui e assista ao vídeo:

Estudantes de Tubarão recolhem cerca de 400 kg de lixo na Praia do Cardoso Anterior

Estudantes de Tubarão recolhem cerca de 400 kg de lixo na Praia do Cardoso

Dia D das Crianças ocorre neste sábado em comércio de Tubarão Próximo

Dia D das Crianças ocorre neste sábado em comércio de Tubarão

Deixe seu comentário